terça-feira, 21 de outubro de 2008

Fumaça e espelhos

Como escrevi um conto bem curto, resolvi postá-lo no corpo do blog mesmo (mas para os puristas, irei colocá-lo no site). Até porque, assim fica mais fácil para quem quiser, ler e comentar. Abraço a todos.

Fumaça e Espelhos

Ele levantou cedo da cama, desligando o despertador que insistia em tocar ruidosamente ao seu lado. Roçou a cabeça de leve, desarrumando sua cabeleira negra. Passou a mão pelo rosto e sentiu a barba rala que se aventurava até o meio o pescoço.
Tirou o lençol abarrotado de cima da cama e levantou-se, abrindo os braços finos e compridos para espreguiçar-se. Esfregando os olhos, caminhou até o banheiro, onde tirou o pijama e ligou a água do chuveiro. Lavou-se vagarosamente com a água morna, despertando de gota em gota.
Saiu do chuveiro e puxou uma toalha, que todas as noites deixava pendurada no box para não ter que passar trabalho pela manhã. Ainda pingando sobre o chão gelado de mármore, lambuzou o rosto com creme de barbear e puxou sua gilete.
Sobre a pia do banheiro, havia um espelho que ele usava para fazer a barba. Começou passando a lâmina pela face esquerda, prestando atenção em sua imagem para não errar. Quando terminou aquele lado, lavou a gilete na pia para tirar o excesso de espuma.
Nem teve tempo de perceber sua imagem refletida estendendo a mão para fora do espelho e, num movimento rápido, rasgar-lhe a garganta.
Sem emitir um ruído sequer, deslizou até o chão, sentindo um arrepio frio em seu pescoço.
Sua imagem estava imóvel, observando-o com um sorriso malicioso. Apenas mais tarde, apercebendo-se de sua própria natureza, é que enfim sentiu um corte profundo na garganta e caiu, sangrando até a morte.

11 comentários:

Nerys disse...

Excelente,gosto muito mesmo da forma como tu expressas tuas emoçoes.Usas palavras na medoda certa e ao com endereço cerorsrsr.Beijos nerys

Carlos Vilarinho disse...

Valeu, cara! Gostei desse e do Caso de amor, legal!
Abraços,
Carlos Vilarinho.
Faça uma visita em http://carlosvilarinho.blogspot.com/
Abraços,
Carlos Vilarinho

Roberto Colombo disse...

Wow, muito bom!
Sinceramente, adorei o conceito de sombra assassina!
^^
Parabéns!
Abraço!

KRHAUS disse...

Que medo xD

hahaha

brincadeiras a parte

ótimo blog cara.

http://www.words-of-eagle.cris-design.com

Anônimo disse...

incrivel a forma com que vc se expressa.
Parabens pelo conto, seus textos
são muito bons e com essa sua
particularidade os torna diferentes.
otimo blog, abraços

nelson_magrini disse...

Interessante a forma como você desenvolveu a trama, explicitando apenas nas linhas finais o que iria se desenrolar. No momento que o reflexo ataca, a história muda, e passa-se a perceber que aquele é um conto de suspense surreal. Muito bom.

Marina disse...

Isso me pareceu aqueles sonhos de quando você fica embolando na cama e termina dormindo de novo, sonhando que acordou e está começando a manhã. De vez em quando, eu tenho um desses sonhos e sempre acontece alguma coisa sobrenatural que termina me acordando de verdade.

Gostei muito da narrativa. Muito bem desenvolvida e inesperada.

Abraço!

adri disse...

olá moço! já tinha lido o conto ontem, e achei MUITO bom, estão cada vez melhores......

e como anda a vida? novidades? não almoça mais no ru não? eu agora tô tri saudável: feijão e arroz todos os dias, pães de queijo nos findes ^^

bjs

ps: e sim, aderi à campanha "blogueiros do mundo, uni-vos" ;)

Hermes disse...

Admito que não entendi muito bem, a forma em que o reflexo mata o homem é muito rápida, o conto ficou compacto em demasia, acho que esse merecia ser mais explicado.
Mas lerei os outros contos depois.

Abraços.

Verena disse...

Adoreiiii...vc escreve gostosinho demais, tem um quê de pecado e nos deixa pensando muito a respeito de conceitos e verdades que já foram absolutas....beijos, adorável escritor...

Gerusa Leal disse...

Muito bom o conto.
Abraço
Gerusa Leal
www.flor-de-gelo.com.br