quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Promesse é dívida

Se eu seguisse o ditado 'promessa é dívida', todos nós sabemos que eu estaria devendo até as calças (ou a cueca, ou... deixa pra lá), já que não costumo seguir muito o cronograma que eu mesmo traço e me disponho a cumprir no blog. Hoje, contudo, é um dia diferente. Hoje é o dia em que eu cumpri a minha promessa. A Adri fez bem em me lembrar nos comments do último post. Mas eu ia postar de qualquer forma. É que eu estava tentando escrever um conto especialmente pra hoje. Infelizmente, não consegui. Ao que parece, as ideias pra esse último me fugiram. Eu, que estava tão empolgado e cheio de expectativas, de repente me vi diante de uma folha de caderno em branco e não soube o que fazer. Alguns anos atrás eu largaria tudo e desenharia (eu costumava desenhar bastante, e até que levava jeito, sabe? Não que nem a Lali, claro - vulgo Vermeliasu). Bom, mas isso não quer dizer que não temos conteúdo. Não senhor. Primeiro, como nosso amigo Hermes disse no comentário dele (e como sei que também tem gente que tem essa vontade ou, no mínimo, curiosidade), é difícil de achar cursos sobre roteiro por aí. Portanto, eu achei melhor compartilhar algumas de minhas fontes com vocês. Todas na internet, gratuitas. Obrigado, mas não precisam aplaudir.

Bom, se você não tiver interessa nessa área, pode pular essa parte. Tem mais coisa lá embaixo.

O primeiro site é de Hugo Moss, que escreveu um manuel sobre formatação de roteiros, chamado 'Como formatar o seu roteiro'. Ele pode não ser muito criativo pra nomes, mas ele sabe do que fala. Deem uma lida e me digam que não é verdade.
O linke é:
http://www.films.com.br/intro.htm

O segundo é de Emilio Carlos. Um autor que, embora eu não conheça, bolou um "tutorial" muito interessante. Sei que é tudo meio básico e sem tanto desenvolvimento assim, mas é um curso pela internet gratuito. Já é muito mais do que NÃO ter um curso. Corrijam-me se eu estiver errado.
O link é:
http://www.mailxmail.com/curso-roteiro

E o último endereço é da Usina do Roteirista, um site também meio básico mas bastante interessante. Ao invés de tratar os temas da história do roteiro e do formato do roteiro em separado (como os dois últimos sites o fazem), trata os dois juntos, o que acabou me esclarecendo algumas dúvidas.
O link é:
http://screenwriter.sites.uol.com.br/formate.htm

Agora, para você que leu até aqui, ou que simplesmente pulou tudo, minha promessa cumprida. É um conto (não sei se se encaixa na especificidade do 'mini-conto', mas é bem pequeno) erótico; portanto, tirem as crianças da sala. Eu escrevi faz um tempo, mas não tinha postado ele aqui ainda. Ah, e por favor, tentem não entregar o final na seção de comentários. Sei que dá vontade de falar a respeito (até porque já msotrei o conto pra várias pessoas), mas minizem o que puderem, para não revelar o final pra quem não leu. Bom, era isso. Agora, como vocês:

Um caso de Amor

Chegaram ambos da festa e, sem perder tempo, dirigiram-se para o quarto. Sua consciência já pouco discernia o que faziam, influenciada por seu louco desejo um pelo outro. O vinho que tomaram fazia efeito, causando as risadas alegres e ansiosas que surgiam por entre as carícias.
Ela beijou-lhe o pescoço e começou a desabotoar-lhe a camisa, arrancando sua gravata com fúria. Desceu sua língua pelo peito descoberto dele, saboreando cada curva. Logo, ela chegou à calça e começou a esfregar o rosto contra o volume que se formava. Olhando para os olhos do seu par, ela lentamente abriu o zíper enquanto lambia os beiços, trazendo aquele membro grande e rígido para fora.
A mulher começou a brincar com ele, balançando-o em suas mãos e em seus lábios, até que o homem, não mais se contendo, puxou a boca dela contra o seu órgão, e ela começou a chupá-lo. Movendo sua cabeça para frente e para trás, ela extraiu dele gemidos de lascívia e de prazer, completados por diversos: ‘eu te amo’, ‘me chupa’, engole tudo’…
Quando ela terminou o serviço, um fio branco escorria pelo seu queixo, que ela puxou e engoliu sonoramente.
- Minha vez. – disse o homem, levantando a saia dela e ali mergulhando seu rosto, lambendo e chupando com veemência, sentindo a mão dela em seus cabelos, controlando-o com carícias gentis. Ele sentia um suco doce escorrer-lhe pelos lábios, derramando-se como um bom vinho que é degustado.
Quando ela estava satisfeita, puxou-o para dentro de si, num movimento cuidadosamente violento, sentindo-o pulsar como um coração. ‘Me come’, sussurrou ela para o seu amante, fazendo-o mover-se com ela, para frente e para trás, para frente e para trás. Sem piedade. Sem carinho. Um ritmo selvagem e incontrolável.
Uma volúpia voraz adonou-se de seus corpos, trazendo-os para junto de si tanto quanto podiam, ardendo como fogo um pelo outro, indo contra as leis da física, provando que dois corpos podem, sim, ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo, e mais, e estender-se e comprimir-se, e não eram dois, eram um só, e gemiam e gritavam e urravam e moviam-se, para frente e para trás, para trás e para frente, um contra o outro, agredindo-se com um apetite gentil e insaciável.
Beijaram-se loucamente, num momento selvagemente apaixonado e apaixonante. Então ele saiu de dentro dela e jogou-a ao chão, prostrando-a de quatro à sua frente. Ela o fitou como uma fera esperando seu macho, e levantou a saia, abrindo as pernas para ele.
Sem pestanejar, sem controle, ele atirou-se sobre ela e reiniciou o movimento.
- Goza! – dizia ela. – Goza em mim! Goza pra mim! Goza!
E ele, uma besta incontrolável, servo daquelas pernas, daquele corpo, daqueles olhos, uivava como um animal acuado, preso que estava dentro dela. Para frente e para trás, para frente e para trás, enfim entregou-se, jorrando quente dentro dela. Sentindo o seu amante, ela urrou de repente, jorrando então ela sobre ele, unidos em seu gozo mútuo e infalível.
E caíram ambos na cama, extasiados, acabados. Apaixonados.
- Gostou, meu querido? – perguntou ela, admirando-o.
- Adorei, mãe. – respondeu ele, aninhando-se entre os seus seios.

8 comentários:

adri disse...

É, eu lembro de já ter lido esse conto. Realmente o final é um baque. Tu estás lá, lendo, tranquilo, se envolvendo na história, etc, etc, tudo segue seu ritmo normal e corriqueiro. E chega O FINAL. E te dá um belo de um tapa na cara pra te ensinar a deixar de querer tudo tão previsível..... huahuahauhau.

Bom que cumpriste a promessa dessa vez =) Sei que nem sempre é fácil cumprí-las, mas garanto que de hoje em diante não vai ser por esquecimento :p

bjs!

Hermes disse...

cara, deixa que eu passo o teu link para o pessoal, que eles vão te anexar no blog de quinta. E tu é fazer isso mesmo que eu fiz e você sacou, bota os links e pronto! Abre a parte para o blogs de quinta.
Os blogs são:

Blogs adeptos:

http://www.caribeironeto.blogspot.com
http://casadosacasos.blogger.com.br
http://www.fizerepito.blogspot.com/
http://www.phenriquepassos.blogspot.com/
http://www.coracaodeserpente.blogspot.com/
http://naquintadimensao.blogspot.com/
http://profetadopassado.blogspot.com/
http://epifaniadaflor.blogspot.com/
http://www.opassaroeaflor.blogspot

Vrcarvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Repetindo:
Tchê,isso aqui tá uma putaria das braba.

-Sim, ainda sou pseudoestudante de letras. Faço orientadas 2, mas não sei por quanto tempo.

- Não, não conheço o House. Mas que parece, parece.

Hermes disse...

muito legal sobre os roteiros! já vi que colocou os links, na quinta eu passo o teu blog para a galera te colocar. Abraço!

Hermes disse...

Eu não gosto muito de contos eróticos, mas acho que mulheres sbaem escrever melhor eles. Bom, sobre o conto, o corpo dele me pareceu como muito deles, sem nenhuma novidade. Mas o final foi um contraste, que é surpreendente, eu não acho que esteja coesa as ações entre mãe e filho. Mesmo em uma cópula, que não é comum que aconteça entre a mãe e o filho, acho que as ações deles seriam mais delicadas e diferentes. Enfim, seria mais fácil se fosse com a tia! ehuehueheuhe. Gosto mais dos seus contos fantásticos, poste um quinta feira! Abraço

Vermeliasu disse...

Ei tu podia voltar a desenhar mesmo! As vezes eu to desenhando coisas random e quando vejo isso me dá umas boas ideias de histórias.
O final do conto me lembrou um episódio de Lei e Ordem (Acho que dizer isso não entrega o final né? acontece de tudo no Lei e Ordem) XD

Hermes disse...

melhor tu fazer um post inaugural na quinta, ei nessa tu faz, e na mesma eu passo teu link para a negrada. Certo assim?